Mulher com 55 anos de idade é portadora de hipertensão essencial, com pressão arterial constantemente elevada apesar do uso de quatro drogas diferentes para o tratamento. Há poucas semanas o médico iniciou o tratamento com metildopa, porém ontem ela teve que procurar a emergência pois não estava se sentindo bem. Foram solicitados vários exames laboratoriais, cujos resultados foram os seguintes:

 

Resultados

Normalidade

Unidade

Hemoglobina:

9,2

11,5 – 16,0

g/dL

HCM:

28,0

27,0 – 32,0

Pg

VCM:

91,8

77,0 – 92,0

Fl

Leucócitos:

7,2

4,0 – 11,0

X 109/L

Plaquetas:

376,0

150,0 – 400,0

X 109/L

Ferro Sérico:

25,0

11,0 – 32,0

mmol/L

Ferritina:

154,0

12,0- 200,0

mg/L

CTLFe – TIBC:

65,0

42,0 – 80,0

mmol/L

Vit. B12:

198,0

> 150

ng/L

Folatos:

6,5

> 2,0

mg/L

Bilirrubina Total:

45,0

3,0 – 17,0

mol/L

AST:

25,0

5,0 – 35,0

IU/L

ALT:

22,0

5,0 – 35,0

IU/L

GGT:

15,0

7,0 – 33,0

IU/L

Fosfatase alcalina:

98,0

30,0 – 150,0

U/L

Urobilinogênio *:

Positivo

Negativo

_

Reticulócitos *:

12,0

0,5 – 2,5

%

Coombs direto *:

Positivo

Negativo

_

Urobilinogênio urinário, contagem de reticulócitos e teste de Coombs (antiglobulina direta) foram solicitados posteriormente.

Pergunta-se: 
1) Interprete os resultados.

2) Qual é o diagnóstico referendado pelos resultados dos exames e história da paciente?

Respostas:
1) A paciente tem anemia normocítica e normocrômica, com perfil de ferro normal, valores de folato e vit. B12 também normais. Entretanto a elevação da bilirrubina, urobilinogênio positivo e reticulocitose sugerem anemia hemolítica. O teste de Coombs direto positivo indica que há anticorpos envolvendo os eritrócitos.

2) O diagnóstico obtido pelo conjunto das informações é de anemia hemolítica auto-imune, que foi induzida pelo tratamento com metildopa.