Como são explicados os achados de hemograma que sugerem a anemia hemolítica?

O aumento da destruição de hemácias (hemólise) induz a produção de hemácias (eritropoiese) caracterizada pela hiperplasia eritroblástica na medula óssea e pela anemia e reticulocitose no sangue (figura 5).

O desequilíbrio entre destruição e produção de hemácias é a causa da anemia, resultando em diminuição do número de hemácias, da concentração de hemoglobina e do valor do hematócrito.

Os eritroblastos em maturação acelerada apresentam numerosas mitoses, nas quais o núcleo pode sofrer fragmentação. Eventualmente, alguns eritroblastos e hemácias com corpúsculos de Howell-Jolly remanescentes circulam no sangue (figura 6).

As hemácias produzidas, com ribossomos remanescentes, são observadas como hemácias macrocíticas basófilas (policromasia) pela coloração de Leishman e como hemácias com precipitados (reticulócitos) na coloração com azul de cresil brilhante.

O diagnóstico laboratorial de hemólise é feito por:

  1. anemia;
  2. reticulocitose;
  3. bilirrubina indireta aumentada;
  4. DHL aumentado.

 

Figura 5: Reticulocitose de 82% em anemia hemolítica grave causada por Hb Instável.

Figura 5: Reticulocitose de 82% em anemia hemolítica grave causada por Hb Instável.

 

Figura 6: Corpos de Howell-Jolly em anemia hemolítica auto-imune.

Figura 6: Corpos de Howell-Jolly em anemia hemolítica auto-imune.